quinta-feira, 19 de setembro de 2013

VIRADA DA MOBILIDADE. PARA REPENSAR O TRANSITO EM SP



Em uma cidade onde cada pessoa gasta, em média, 2 horas e 15 minutos no trânsito, que mata três motociclistas por dia e um ciclista por semana, foi muito bem vinda a Virada da Mobilidade, que termina amanhã, dia 23, com o objetivo de discutir e promover alternativas de locomoção mais sustentáveis e inteligentes, propondo às pessoas repensarem o planejamento diário do trajeto casa/trabalho e se transformarem em agentes de mudança.

A iniciativa vem em um momento em que, segundo pesquisas recentes, a maioria dos paulistanos (61%) se diz disposta a deixar os seus carros em casa se existir uma boa alternativa. Além disso 93% é a favor da ampliação das faixas exclusivas de ônibus. E há até um empate para a ampliação do rodízio para dois dias, coisa impensável se a pesquisa fosse aplicada em tempos mais recentes.  Existe inclusive uma certa tendência na aprovação de um aumento na gasolina para subsidiar o transporte público (45%) embora 53% ainda sejam contra.

Deixar de fato o carro na garagem ainda é, no entanto, algo difícil de ser concretizado fora da retórica especulativa das pesquisas.  O nó da questão está no tal “desde que” haja uma boa alternativa. E como ninguém perguntou o que seria uma “boa alternativa”, provavelmente, na prática, por mais que faixas exclusivas e outros artifícios que sejam implantados, o paulistano deve continuar usando o transporte individual e gastando horas e horas da sua vida no trânsito.

Em vez de apenas demonizar os carros, como fazem muitas das autoridades, para os quais os brasileiros foram empurrados ao longo dos últimos anos, com uma série de incentivos, pelas próprias autoridades de plantão, seria de bom alvitre uma melhora sensível no tal de transporte público, que não se resumisse a faixas e/ou corredores de ônibus que, até concordo são, ou deveriam ser, emergenciais. Apenas.

Em São Paulo, pior ainda que em outras cidades, é difícil andar de ônibus. O metrô é insuficiente e lotado nas horas de pico. E dos trens então nem se fala. O itinerário dos ônibus deve ter sido “bolado” por algum burocrata que só anda de carro. São voltas e mais voltas para se chegar a qualquer lugar e é um exercício de adivinhação descobrir por onde passam, de onde veem e para onde vão. Nas paradas nenhuma indicação. Resta tentar ler, quando possível, o que vem escrito nas laterais dos veículos, desde é claro, que o cidadão esteja na parada certa para o destino que almeja.

Com palestras, seminários, exposições e atividades educativas e lúdicas espalhadas pela cidade, além de um dia sem carro no centro, a Virada da Mobilidade pode ser um bom momento para uma reflexão séria sobre o trânsito na nossa cidade e, quem sabe, consiga encontrar soluções que minimizem os transtornos diários que passamos para nos deslocar em São Paulo. E tomara que as autoridades e população se inspirem em busca de medidas cada vez mais efetivas para melhorar a vida dos paulistanos, nascidos e adotivos.