segunda-feira, 16 de junho de 2014

TATU-BOLA VIVO: R$50,00 – FULECO DE PELÚCIA: R$79,90. A FIFA LUCRA COM ANIMAL AMEAÇADO DE EXTINÇÃO E DÁ UMA BANANA PARA OS AMBIENTALISTAS.





O tatu-bola vivo está passando da categoria de espécie "vulnerável" para em "perigo". E os biólogos lamentam que a Fifa explore comercialmente a imagem de um animal ameaçado de extinção, mas não dê nada em troca.

Segundo o coordenador geral da Associação Caatinga, quando tiveram a ideia de propor a entidade o tatu-bola para mascote do Mundial, pretendiam dar mais visibilidade à Caatinga e salvar uma espécie ameaçada, mas a Fifa embora venha faturando alto com seu mascote, deu as costas aos ambientalista.

O pessoal da Caatinga não está atrás de dinheiro, mas tinha a expectativa de que alguns dos seus projetos apresentados a Fifa fossem aprovados e que ela atuasse como embaixadora da causa ambiental, mas obviamente não foi isso que aconteceu.

No interior, na catinga, as pessoas não fazem a menor ideia do que seja o tal de Fuleco e os poucos que o conhecem não o relacionam com o tatu-bola, que antigamente era caçado como comida, mas hoje isso é feito apenas porque é recreativo, cultural ou comercial.

Com isso, embora seja cada vez mais difícil a caça, o tatu-bola deve mesmo desaparecer e a oportunidade excepcional" com a Copa do Mundo, de pelo menos chamar a atenção para o fato foi perdida.

Como disse Rodrigo Castro, coordenador da Caatinga, ao jornal Estado de São Paulo, a Fifa concordou em utilizar a imagem de um animal ameaçado como mascote, mas não deu nada em troca e isso não é ético.