domingo, 10 de janeiro de 2016

MARCOS VALÉRIO, UM PERSONAGEM AINDA A SER DESVENDADO

Confesso minha atração por Marcos Valério, o carequinha, como foi chamado com ares de deboche, por muitos apresentadores de TV, no auge do escândalo do Mensalão.

Confessou, digamos assim, apenas o essencial, para ser condenado a pena de 37 anos, uma – ou talvez única – mais pesada do escândalo.  Bem que ele tentou, sem sucesso, um acordo de delação premiada um mEs depois que o STF o havia condenado a 40 anos de prisão que volta agora a propor.

Valério sabe mais que assuntos relacionados ao Mensalão, sabe muito. Se abrir a boca, como parece que pretende, assuntos que estão meio mortos, como o assassinato do ex-prefeito de Santo André (SP) podem voltar à tona, envolvendo inclusive o ex-presidente Lula.

Quais seriam os motivos que levaram Valério a ficar calado e assumir, sem espernear, a maior pena do processo? Dizem que ameaças a vida da sua família. Estaria agora mais seguro quanto a isso? Valério é responsável, também, pelo que o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa em Curitiba, chamou de “efeito Valério”, que teria estimulado tantos personagens a fazerem deleções premiadas temerosos de se transformarem em um “segundo Marcos Valério.

Se de fato conseguir fechar o acordo acredita-se que Marcos Valério  envolveria no esquema de corrupção do qual fez parte e, por conta dele, ficou sabendo de muitas coisas, o pecuarista José Carlos Bumlai, o tal amigo do Lula, que estaria enredado em operações com o Banco Schahin, cerca de R$6 milhões que teriam ido parar nas mão de Ronan Maria Pinto, um empresário de Santo André. E por aí que rolam as especulações relacionadas à morte de Celso Daniel e de supostas chantagens envolvendo Ronan e Lula.

Em seus depoimentos Valério já teria fornecido, na época, afirmações que coincidem com fatos que estão sendo apurados agora, mas que – mistério – não foram levadas adiante. Agora, segundo seu advogado pode fornecer informações que fariam as atuais investigações seguirem adiante.

Se a proposta será aceita, só mesmo o empo dirá, mas que – certamente – Valério é uma espécie de homem-bomba, com potencial bastante letal, não resta a menor dúvida. Será interessante saber, também, no caso dele abrir realmente a boca, os motivos pelos quais guardou tanto segredos, submetendo-se a pena de 37 anos, em regime fechado.

Seja qual for o desfecho Valério é um personagem interessante, que daria um fantástico livro com sua biografia/trajetória. Alguém vai se habilitar?