quarta-feira, 29 de março de 2017

MANIFESTAÇOES: O DISTINTO PÚBLICO SUMIU



Para felicidade geral das “esquerdas” o público rareou nas últimas manifestações, como era de se esperar. Ir às ruas protestar ou apoiar o que exatamente?  Além de uma convocação em torno de ideias difusas, os organizadores não levaram em conta o cansaço das pessoas comuns com o atual estado das coisas. Sem ideias- força, sintonizadas com os sentimentos reais da população, não é possível amealhar participantes para manifestações. As pessoas vão às ruas se conseguirem enxergar objetivos concretos. E objetivos concretos estavam em falta nessas últimas manifestações.

Apoio a Lava Jato, solidariedade ao juiz Moro, um mal disfarçado apoio ao Governo Temer não são exatamente assuntos capazes de mobilizar multidões, principalmente se as pessoas estão cansadas, de saco cheio. Ninguém a sério, ainda, acredita que a Lava Jato esteja de fato ameaçada ao ponto de precisar apoio nas/das ruas. O juiz Sérgio Moro continua onde está e nada o ameaça, noves fora os desaforos de mais exaltados de figuras carimbadas. E apoiar o Governo Temer...

As pessoas, com exceção daquelas “organizadas”, só vão as ruas diante de questões graves, absolutamente claras, que lhes estejam incomodando fortemente. E, quando acreditam sincera e inequivocamente, que a suas presenças nas ruas pode ter o poder de mudar alguma coisa.

Aos organizadores faltou o entendimento: sem uma motivação clara e forte manifestações de rua não atraem multidões. As pessoas estão preocupadas com seus empregos, com o empobrecimento, com os diários escândalos políticos, mas não acreditam que as pressões das ruas façam agora a diferença. Quanto ao governo... sai Temer e entra quem? Qual a perspectiva real de mudança? A sensação é que talvez, mais dia – menos dia, as coisas comecem a se normalizar, ainda que os sinais de melhora ainda sejam tênues. Talvez seja melhor esperar mais um pouco e ver no que pode dar.

Por outro lado, o pessoal que comemorou com muito entusiasmo o esvaziamento, deveriam por as barbas de molho. Ainda é cedo para achar que as águas vão rolar em sentido contrário. As manifestações contrárias ao governo continuam mobilizando os mesmos de sempre. A ausência nas ruas não significa apoio ao pessoal que é contra “tudo isso que está aí”.

Os brasileiros comuns estão cansados e perplexos. Mas é uma gente acostumada a passar por inúmeros dissabores (basta lembrar de alguns governo de antanho) e costuma apostar que passado algum tempo as coisas tendem a melhorar. Quando afinal se derem conta de que vão ser necessários algo em torno de uns vinte anos para voltarmos ao patamar mais recente e que, gostemos ou não, estamos todos – e vamos permanecer por um bom tempo – mais pobres, talvez as coisas mudem.

Por enquanto é mais ou menos a velha máxima: deixa quieto que talvez passe.
É pagar para ver.