quarta-feira, 5 de abril de 2017

VADIAR PARA PRODUZIR MAIS


Executivos em geral, jornalistas e publicitários, entre muitos outros, são vítimas da produtividade de aparência e das reuniões improdutivas do mercado de trabalho. Até aí nenhuma novidade. Mas já tem gente contestando tudo isso e advogando o ócio produtivo.

Pesquisas informais indicam que os dias de trabalho dos brasileiros são muito mais longos que seus pares em outros países. E, é claro, muito menos produtivos.

Discute-se em longas reuniões assuntos que poderiam ser substituídas por uma simples troca de e-mails e outros recursos. A conexão eletrônica é outra vilã, ao invadir a vida pessoal com trabalho, na maior parte do tempo, com questões que poderiam, sem nenhum problema, ser tratado durante o expediente normal. A falto de foco é outro problema apontado para explicar, também, o tempo excessivo dos brasileiros no trabalho.

Para quem estiver disposto a mudar de vida há alento. Lucia Guimarães,
colunista do Estadão, que mora em Nova York, comentando o assunto, trouxe depoimentos de algumas personalidades mundiais, bem sucedidas, que incluem horas de ócio como fator de aumento da produtividade, como Charles Darwin e Ingmar Bergman. Os dois trabalhavam apenas algumas horas por dia, mas deixaram uma produção alentada.

Alex Soojung-Kim Pang, um autor americano, acredita que algumas grandes figuras históricas deveriam ser estudadas não apenas por suas conquistas, mas também pela maneira como descansavam. Alex, um veterano do Vale do Silício e fundador da Restful Company, uma consultoria que se debruça sobre o problema do excesso de trabalho e seus efeitos na produtividade, é autor do livro Rest, Why You Get More Done When You Work Less (Descanso, Por Que Você Faz Mais Quando Trabalha Menos).

Segundo Alex, pessoas talentosas vão longe, não apesar do lazer e/ou do descanso, mas – para surpresa geral – por causa deles. Ressalta, no entanto, a necessidade de uma disciplina, de manter o foco, durante o trabalho e ao mesmo tempo administrar corretamente as horas, os momentos de lazer e descanso, distribuindo-os de forma correta, deliberada e consciente.

Faço coro a Lúcia Guimarães: mais ócio, menos reuniões, mais produtividade.