Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2014

A ESQUERDA BRAZUCA NÃO ENTENDE A NOVA CLASSE MÉDIA

Imagem
Uma coisa que me diverte e espanta é o amor e ódio que a “nova” esquerda brasileira nutre com a tal de classe média, bode expiatório para todas as mazelas brasileiras e, ao mesmo tempo, protagonista das recentes políticas de ascensão social do governo.
Saudosistas, e péssimos leitores de Marx/Engels/Lenin e cia, dos tempos em que o mal do mundo e atravancadores mor do progresso social eram a burguesia, os atarantados pequenos burgueses e o lumpenproletariat, (pra quem gosta de “filosofar”, seguem lá embaixo, trechos, em tradução livre, do O Dezoito Brumário de Luís Bonaparte de Karl Marx, onde ele aborda muito claramente os seus conceitos sobre pequenos burgueses, classe média e socialdemocracia), esse pessoal não percebe que a “nova classe média” está, nesse momento, apenas se “acomodando” ao seu novo status, mas já traz os valores gratos ao da velha classe média.
Os tempos mudaram senhores. Não estamos mais no século 19. O que os nossos esquerdinhas não conseguem ver é que esse contin…

IMPUNIDADE/LINCHAMENTOS/MASCARADOS/“TERRORISMO”/TRAFICANTES/MILÍCIAS/AUTORIDADES PERPLEXAS E DEMAGÓGICAS: ESSE CALDO VAI FERVER.

Imagem
O tal de tecido social brasileiro está se esgarçando, com um crescente rompimento do contrato social. A insegurança permeia todas, insisto, todas as tais de classes sociais – e só os tolos acham que os “pobres” ou a tal de classe D se sentem seguros ou são, todos, tendentes à contravenção. As polícias, civil ou militar (outra excentricidade exclusivamente brasileiras, essa divisão)legitima jabuticaba nacional), despreparadas para tudo, só sabem enfrentar a bandidagem na base do enfrentamento direto, no qual sai perdendo na maioria das vezes.E a cínica sociedade brasileira nada faz para melhorar o desempenho das forças policiais, assim como nada faz para melhorar as condições dos presídios, preferindo o discurso demagógico de justificar certos delitos, pela condição social, ou – pior – partir para fazer justiça com as próprias mãos, espancando supostos (ou comprovados) bandidos.