domingo, 16 de julho de 2017

Por quanto tempo vc sobreviverá se não se adaptar as mudanças?


Nos últimos anos foram muitas as mudanças que alteram nosso modo de vida e as relações de trabalho. (Aqui embaixo vai uma lista, bem pequena, só pra ilustrar).

E vc tem prestado atenção ao que está acontecendo no mundo?  Vc realmente pensa que pode continuar a viver como vivia há 10 anos? Já se perguntou por quando tempo conseguirá sobreviver se não se adaptar?  Por quanto tempo seu emprego/trabalho na forma atual, vai durar?

Depois de refletir um pouco sobre isso, você ainda quer viver como vivia há 10 anos?

Melhor começar a se reinventar diariamente para continuar no jogo. O negócio é ir em frente. Não porque atrás vem gente, mas porque já tem muita gente na frente. E se você nem sabe o significado de boa parte dos nomes aí em negrito tem que se apressar ainda mais. 

O Spotify praticamente faliu as gravadoras;  O Netflix faliu as locadoras; O Booking complicou a vida das agências de viagens;  O Google faliu a Listel, Páginas Amarelas e as enciclopédias;  O Airbnb está complicando a vida dos hotéis;  O WhatsApp complicou a vida das operadoras de telefonia;  As Mídias Sociais estão complicando a vida dos veículos tradicionais de comunicação;  O Uber e afins complicou a vida dos taxistas. E em breve os carros autônomos vão complicar a vida de todos os motoristas;  A OLX acabou com os classificados dos jornais;  Os Smartphones acabaram com as revelações dos filmes fotográficos e com as câmeras amadoras;  O Zip Car está deixando as locadoras de veículos de cabelo em pé;  A Tesla está complicando a vida das montadoras de automóveis; O e-mail e a má gestão complicaram a vida dos Correios;  O Waze acabou com o GPS; O Original e o Nubank ameaçam o sistema bancário tradicional;  A Nuvem complicou a vida dos Pen Drive;  O YouTube complica cada vez mais a vida das TVs. Muita gente nem sabe mais da existência dos canais abertos;   O Facebook complicou a vida dos portais de conteúdo;  O Coaching mudou a forma de aprender, pensar e agir de muita gente; Tinder e similares está complicando baladas e afins;  Com os bancos online quase ninguém precisa ir as agências, diminuindo o mercado dos bancários.